Eficiência Energética Residencial – Parte I: Televisão e Receptor

As dificuldades econômicas fizeram com que as famílias brasileiras se mostrassem preocupadas na redução imediata de gastos, poupando primordialmente nas contas residenciais.  O consumo de energia elétrica é um grande fator que pode, com algumas medidas organizativas, fazer com que o consumidor economize diariamente. Além disso, a utilização consciente da energia, evitando ao máximo os desperdícios, auxilia em uma maior eficiência energética e ajuda no combate aos impactos causados pela geração de energia elétrica. Dessa maneira, conhecer um pouco sobre o consumo elétrico dos equipamentos utilizados é de extrema importância à sociedade em geral. Com tal objetivo em mente, a LEMKE trará um estudo detalhado de alguns eletrodomésticos mais utilizados.

Ao planejar-se para comprar qualquer produto/serviço, é comum que ocorra uma comparação de vantagens; preços e tecnologias distintas, a fim de se encontrar o produto/serviço mais vantajoso. Muitas das vezes optamos pelo que atenda as necessidades desejadas e que, principalmente, possua o menor preço. Entretanto, muitos consumidores não prezam pelo consumo elétrico médio do equipamento e sequer notam a sua potência nominal na hora de adquiri-lo. Por horas, o equipamento pode requerer muito mais energia que outro aparelho similar, o qual possuía um preço reduzido.

Segundo o Programa Energético da Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), o consumo de energia elétrica pela televisão representa expressivos 6% do total consumido em uma residência. Dessa maneira, com o auxílio de um analisador de tensão, a LEMKE criou uma curva de potência analisando juntamente uma televisão LED de 32 polegadas, bem como o seu receptor. A curva pode ser analisada em cinco estágios diferentes:

Estágio I – 10:15 até 10:16 – Televisão e Receptor desligados na tomada.
Estágio II – 10:16 até 10:18 – Televisão Ligada e Receptor desligado na tomada.
Estágio III – 10:18 até 10:21 – Televisão e Receptor ligados.
Estágio IV – 10:21 até 10:23 – Somente o Receptor ligado.
Estágio V – 10:23 até 10:25 – Receptor em modo de espera (Stand by).

A curva de potência pode ser observada abaixo.

Curva de potência -Televisão e Receptor

Assim, pode ser observado que a televisão e o receptor consomem energia mesmo no modo de operação, ou stand by. Isso ocorre quando a televisão e/ou o receptor estão ligados na tomada, mas não estão funcionando plenamente. Normalmente, os aparelhos se apresentam desligados com alguma luz indicando que o aparelho está à espera de um novo comando de acionamento. Logo, os principais circuitos dos produtos ainda continuam recebendo energia. Esse desperdício gera um considerável consumo médio de 11 W por hora.

De acordo com a Pesquisa Brasileira de Mídia de 2015 – Hábitos de consumo de mídia pela população brasileira, estudado e divulgado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, cada residência brasileira assiste em média 4 horas e 31 minutos por dia. Dessa forma, a televisão encontra-se em modo stand by por aproximadamente 19 horas e 30 minutos. A energia desperdiçada correspondente ao modo stand by durante um mês é de: Pot = 19,5 h * 11 W * 30 dias = 6,435 kWh.

Considerando que a tarifa COPEL de energia do subgrupo B1 convencional com impostos (ICMS, PIS e COFINS) é de R$ 0,64543 por kWh: Valor na conta de energia elétrica = 0,64543 * 6,435 = R$ 4,15.

Ou seja, por mês, uma televisão de LED de 32 polegadas juntamente com um receptor gastam R$ 4,15 somente no modo stand by.  Ao ano, esse valor aumentaria para R$ 49,83. Retirando tais equipamentos da tomada, além de reduzir o desperdício, haverá uma redução na conta elétrica.

A LEMKE recomenda algumas medidas organizativas para a economia de energia:

  • Desligar a televisão e o receptor quando não forem utilizados, principalmente em ocasiões como de viagens.
  • Não deixar em stand-by. Desligá-los completamente da tomada.
  • Não deixar o aparelho ligado quando estiver dormindo, programando a função timer ou sleep para ser desligada em um determinado tempo futuro.
  • Escolha de televisores mais econômicos, com preferência aos que apresentam certificações, tais como o selo Procel.
  • Optar por televisões de LED, pois acabam consumindo menos energia do que as de PLASMA e LCD, assunto que será tratado em nosso próximo post!

Achou interessante? Comente em nossa página quais são os eletrodomésticos que quer saber mais a respeito!!!

2 thoughts on “
Eficiência Energética Residencial – Parte I: Televisão e Receptor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *